Household & Auto Care 2010 – Otimismo marca a 9ª edição do maior evento do setor de produtos de limpeza na América Latina

Milhares de profissionais e empresários do setor de produtos de limpeza visitaram a exposição e o seminário Household & Auto Care 2010, realizado de 16 a 18 de junho, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo. Na abertura do seminário, Luiz Alberto Bozzolo, diretor da Freedom Comunicações, destacou o bom desempenho do setor durante a crise: “Esta edição acontece em um momento especial para a economia, a política e a sociedade brasileira.

No ano passado, quando o mundo todo falava em crise, as famílias brasileiras foram às compras. Não somente gastaram mais, como também aumentaram os volumes comprados e sofisticaram a cesta de consumo. Com produtos de limpeza, as famílias gastaram 17% mais. Em volume, o crescimento foi de 12%”.

Milhares de profissionais e empresários do setor de produtos de limpeza visitaram a exposição e o seminário Household & Auto Care 2010, realizado de 16 a 18 de junho, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo. Na abertura do seminário, Luiz Alberto Bozzolo, diretor da Freedom Comunicações, destacou o bom desempenho do setor durante a crise: “Esta edição acontece em um momento especial para a economia, a política e a sociedade brasileira. No ano passado, quando o mundo todo falava em crise, as famílias brasileiras foram às compras. Não somente gastaram mais, como também aumentaram os volumes comprados e sofisticaram a cesta de consumo. Com produtos de limpeza, as famílias gastaram 17% mais. Em volume, o crescimento foi de 12%”.

Texto da revista Household & Cosméticos:

O executivo também ressaltou a importância do tema central do evento, O mercado de Household e Auto Care com foco em desenvolvimento sustentável: “Hoje, a sustentabilidade não pode mais ser encarada como um diferencial competitivo. Daqui para frente será uma questão de sobrevivência para as empresas. Os consumidores não irão apenas esperar a adoção de ações com apelos verdes, eles pressionarão as empresas para encontrar soluções sustentáveis”. Além de representantes de entidades brasileiras do setor, como a Associação Brasileira da Indústria de Produtos de Limpeza e Afins (Abipla), o Sindicato das Indústrias de Produtos de Limpeza e Afins (Sipla) e da Anvisa ” Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a abertura do evento contou com a participação de Álvaro Rodriguez, vice-presidente da Asiqur ” Associação da Indústria Química do Uruguai. Durante três dias, os participantes puderam conferir as principais inovações tecnológicas e as tendências de mercado e de consumo em 21 palestras do seminário, bem como na exposição, que reuniu cerca de 50 fabricantes e distribuidores de matérias-primas e serviços para o setor.

O executivo também ressaltou a importância do tema central do evento, O mercado de Household e Auto Care com foco em desenvolvimento sustentável: “Hoje, a sustentabilidade não pode mais ser encarada como um diferencial competitivo. Daqui para frente será uma questão de sobrevivência para as empresas. Os consumidores não irão apenas esperar a adoção de ações com apelos verdes, eles pressionarão as empresas para encontrar soluções sustentáveis”. Além de representantes de entidades brasileiras do setor, como a Associação Brasileira da Indústria de Produtos de Limpeza e Afins (Abipla), o Sindicato das Indústrias de Produtos de Limpeza e Afins (Sipla) e da Anvisa ” Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a abertura do evento contou com a participação de Álvaro Rodriguez, vice-presidente da Asiqur ” Associação da Indústria Química do Uruguai. Durante três dias, os participantes puderam conferir as principais inovações tecnológicas e as tendências de mercado e de consumo em 21 palestras do seminário, bem como na exposição, que reuniu cerca de 50 fabricantes e distribuidores de matérias-primas e serviços para o setor.

Mercado e economia

Um dos pontos altos do seminário foi a palestra Tendência da maioria: classe CDE, como conquistar um mercado de R$ 840 bilhões, apresentada por Renato Meirelles, sócio-diretor do Data Popular, instituto de pesquisa pioneiro no estudo do mercado de baixa renda no Brasil. O publicitário apresentou as 10 principais tendências dos consumidores de baixa renda e avisou: “Marcas que constituírem uma relação de parceria com esses consumidores serão mais valorizadas”, lembrando que “o consumo é de massa, mas o relacionamento não pode ser impessoal”. Meirelles também falou sobre as diferenças nos hábitos de consumo e valores entre a classe AB e a CDE, a influência dos jovens e das mulheres nas decisões de compra das famílias da classe CDE e apresentou um estudo realizado com as empregadas domésticas. “Elas é que determinam quais produtos de limpeza que serão usados na casa da patroa”, afirmou. Já o consultor econômico Raul Velloso fez projeções para a economia e o PIB nos próximos meses. Comentando o crescimento de 9% no PIB no primeiro trimestre em comparação com o mesmo período, o que ele chamou de “pibão”, Velloso alertou que tal crescimento não é sustentável e previu: “O crescimento sustentável do PIB no Brasil é da ordem de 4,5%, ou seja, metade do que ocorreu no primeiro trimestre de 2010. Crescimento bom é crescimento sustentável”. Luis Federico Pereira, que apresentou a análise de mercado da Nielsen, deu várias dicas aos fabricantes: “Se a sua empresa atua em categorias básicas, comoditizadas, lembre-se que é possível desenvolver marcas que despertem a necessidade de autoindulgência ou investir em forte execução no PDV para promover o crescimento de suas marcas”. Ele também destacou que a combinação entre praticidade e custo-benefício mostra-se fundamental para o crescimento de penetração das categorias de limpeza. “As empresas que investirem em inovação, praticidade e sofisticação terão mais chances de sucesso, pois a Nielsen vem identificando alguns importantes vetores de crescimento”.

Tendências e inovação

Na palestra internacional Paixão por inovar, Iván Vera, sócio e gerente geral da IGT, consultoria chilena em gestão da inovação e crescimento empresarial, mostrou como as empresas podem criar valor para o mercado de forma contínua, criando uma cultura de inovação, numa proposta composta por quatro cenas: competitividade, market creation, empreendedores e criar valor.
Entre as novidades da Polyorganic Tecnologia, a empresa mostrou um tensoativo fluorado para o tratamento de pisos, com tecnologia desenvolvida no Brasil, e a linha Nabion aditivada, com produtos isentos de fosfatos ou materiais abrasivos e com selo verde da União Europeia para detergentes em pó para têxteis e lava-louças automáticas. “Estamos investindo no Household e em publicidade na Revista H&C porque queremos falar diretamente com os fabricantes desse setor”, afirmou Mauro Majerowicz, diretor comercial.

Reader Interactions